Estados amazônicos definem atuação conjunta na saúde, educação, segurança e meio ambiente

Estados buscam protagonismo para a solução de problemas comuns

12/03/2020 18h55 - Atualizada em 12/03/2020 19h03
Secom/PA

Compra compartilhada de medicamentos que irão gerar uma economia inicial de 25% aos Estados, avanços na alfabetização básica, maior articulação interestadual no combate ao tráfico de drogas e incêndios florestais, desentrave da regularização fundiária e integração dos sistemas de informação e logística. Essas foram as principais pautas de trabalho da 4ª Assembleia Geral de Governadores da Amazônia Legal e segundo dia do 20º Fórum de Governadores Amazônia Legal, realizado no Hangar Centro de Convenções, em Belém. 

Os governadores também debateram a necessidade do governo federal atuar com protagonismo na viabilização de políticas públicas inovadorasDurante a reunião de trabalho desta quinta-feira (12), os governadores também debateram a necessidade do governo federal atuar com protagonismo na viabilização de políticas públicas inovadoras com a utilização dos créditos de carbono para preservação do bioma amazônico. Esta é a primeira vez que o Pará recebe os integrantes do Consórcio Interestadual da Amazônia Legal - formado ainda pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Rondônia, Roraima e Tocantins - para encontros deliberativos. 

Esta é a primeira vez que o Pará recebe os integrantes do Consórcio Interestadual da Amazônia Legal O governador anfitrião, Helder Barbalho, deu boas vindas aos demais chefes de Executivo Estadual e ressaltou a necessidade de uma atuação convergente dos Estados amazônicos nas pautas de interesse comum da região. “Esse é um encontro em que debatemos de maneira conjunta e coletiva temas comuns. Desde o nosso primeiro encontro, as pautas seguem um planejamento e são aprofundadas e aperfeiçoadas, tecnicamente, em nossas câmaras técnicas”, destacou 

O evento contou com a presença de representantes da Inglaterra, Noruega, França, Equador e Alemanha. O evento contou com a presença de representantes da Inglaterra, Noruega, França, Equador e Alemanha. Na oportunidade, Helder destacou a importância dos membros da Amazônia Legal dialogarem com países que já atuam como colaboradores do bioma amazônico. “Precisamos dialogar constantemente e estarmos atentos as oportunidades”, ponderou. 

Já o governador do Amapá e presidente do Consórcio de Estados da Amazônia Legal, Waldez Góes, explicou que os governadores decidiram trabalhar as pautas como ferramentas e projetos de gestão. “Projetos e ações envolvendo gestão territorial e ambiental são nossas prioridades e maiores desafios. Se não tivermos áreas regularizadas não temos segurança jurídica para ter acesso aos recursos e permitir a verticalização da cadeia produtiva de nossa região”, salientou. 

Waldez Góes, explicou que os governadores decidiram trabalhar as pautas como ferramentas e projetos de gestão.Câmara setoriais

Na quarta-feira (11), primeiro dia do 20º Fórum de Governadores Amazônia Legal, secretários de Estado e técnicos debateram, previamente, pontos prioritários nas câmaras setoriais específicas voltadas às temáticas de Planejamento e Gestão Estratégica, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Educação, Saúde, Segurança Pública, Comunicação Pública e Gestão Fiscal e Tributária.

Leonardo Nunes / Agência Pará